Compre online

Guia Festival Enxame

No dia 04 de novembro (daqui a apenas alguns dias), Caxias do Sul, na serra gaúcha, receberá a primeira edição do Festival Enxame. O evento produzido em parceria por uma série de coletivos culturais locais é imaginado como um ambiente para comungar novas bandas, público e painéis em um ambiente escolhido a dedo, no meio do mato, a quilômetros das chaminés que tantas vezes representam o progresso daquela fatia do estado.

No final de setembro, entrevistamos o Jonas da Honey Bomb, responsável pela curadoria e co-organizador do festival. Na oportunidade, falamos sobre as bases que levaram os coletivos da serra a erguerem-se em movimento idealizando um acontecimento nestas proporções. Agora, mais próximos da data, trazemos um pequeno guia com quase tudo o que você precisa saber para participar do que ocorrerá no bucólico cenário do Cheiro de Mato Eco Camping.

Bandas

  • Fundada em 2012, a Cuscobayo (Caxias do Sul - RS) é uma das representantes mais importantes da música latina/mestiça no estado do Rio Grande do Sul. Sua sonoridade apoiada em referências platinas dá origem a um folk dançante que já correu por todo o país. Desde sua fundação, já foram dois discos e mais de 200 shows em sete estados da república.

    #latina #folk #groove Para quem gosta de: Onda Vaga; Francisco, El Hombre e Arbolito. Último trabalho: Cuscobayo (2016)
  • Composta por uma mescla de sintetizadores e instrumentos acústicos, a Musa Híbrida (Pelotas - RS) é um dos destaques da cena independente gaúcha no último ano. A banda é distribuída pelos selos Escápula Records e PWR Records e recentemente embarcou em turnê com os gaúchos da Supervão pelo sudeste do Brasil.

    #eletro #experimental #mpb Para quem gosta de: Little Joy, Devendra Banhart e Washed Out. Último trabalho: Respirei o Poema Cuspi (2016)
  • A Supervão (São Leopoldo - RS) foi fundada em 2015 por três integrantes do selo independente Lezma Records. Desde os seus primeiros singles, o trio já percorreu o Brasil com seus beats, participando de turnês e festivais de grande renome, como o goiano Bananada. Em sua discografia, o grupo possui dois EP, contando com o recém-lançado TMJNT, que marca uma incursão da banda por sonoridades mais experimentais e descoladas de seu vaporwave original.

    #eletro #experimental #progressivo Para quem gosta de: Crystal Castles, Homeshake e Mac DeMarco. Último trabalho: TMJNT (2017)
  • A Catavento (Caxias do Sul - RS) é uma das principais bandas do selo Honey Bomb Records e é formada por diversos nomes que integram o coletivo cultural por trás do Festival Enxame. Em sua curta carreira, a banda já lançou dois disco, Lost Youth Against The Rush (2014) e Cha (2016). Além dos discos, a banda foi uma das que mais gastou o sapato ao longo dos últimos anos, percorrendo quase todo o Brasil em turnê, passando por palcos de praticamente todas as regiões do país.

    #psicodelia #indierock #noise Para quem gosta de: Boogarins, Ty Segall e Thee Oh Sees. Último trabalho: Cha (2016)
  • A Supervibe (Brasília - DF) é um power trio nascido no Planalto Central que vem chamando atenção extra-regionalmente desde o lançamento do seu primeiro EP. Na discografia, há pouca quantidade e muita qualidade: dois trabalhos curtos e pouco menos de uma dúzia de canções com instrumentais abundantes e poucas letras, num ambiente de jams chapante que já foi comparado ao som das principais bandas cunhadas como neo-psicodélicas.

    #psicodelia #indierock Para quem gosta de: Boogarins, Tame Impala e Mutantes. Último trabalho: Autóctone (2017)
  • A Não Alimente os Animais (Caxias do Sul - RS) foi formada em 2014 por músicos que já haviam rodado pelo circuito da serra gaúcha e distribuído muitos covers em bares da região. Desde então, eles têm se dedicado ao som autoral que mistura referências dos anos 70 - sobretudo do progressivo e do rock mais clássico -, uma formação com dois tecladistas e letras quase sempre em inglês. O primeiro disco do grupo saiu em janeiro deste ano, mas rapidamente catapultou a banda ao centro do cenário local.

    #groove #psicodelia #progressivo Para quem gosta de: The Band, Led Zeppelin e The Meters. Último trabalho: Não Alimente os Animais (2017)
  • A Descartes (Caxias do Sul - RS) teve o seu primeiro lançamento em 2012, o EP Steve Julio. Entre esse lançamento e o seu último, o disco Ensaio, de 2015, a banda passou por diversas pausas, remexidas e retomadas. Seu som, mantido de maneira sólida mesmo diante das idas e vindas, se aproxima do hardcore melódico, mas abusa das experimentações e também do noise. O Festival Enxame marca um dos seus primeito shows nos últimos dois anos.

    #hardcore #punk #noise Para quem gosta de: Chuva Negra, Garage Fuzz e Mukeka Di Rato. Último trabalho: Ensaio (2015)
  • A banda Cora (Curitiba - PR) já está em atividade na cena independente curitibana há muito anos, mas teve seu primeiro lançamento apenas em 2016, o EP Não Vai Ter Cora. O lançamento trouxe um dreampop carregado de timbres psicodélicos e referências instrumentais densas, sobreposição de camadas e produção fina, característica de uma banda que conseguiu materializar no disco toda e experiência dos anos na estrada.

    #dreampop #shoegaze #psicodelia Para quem gosta de: Warpaint, Melody's Echo Chamber e Cat Power. Último trabalho: Não Vai Ter Cora (2016)
  • Liderada por uma das fundadoras da produtora/selo/hub Marquise 51, a Mari Martinez & The Soulmates (Porto Alegre - RS) foi fundada em 2012 e tem dois lançamentos em sua discografia. Sua sonoridade mistura, em ambos os trabalhos, o blues com referências mais sessentistas nos arranjos e no formatos, tendo como foco as nuances dos vocais e dos backing vocals à herança do soul gospel norte-americano, sempre apoiados por metais ao fundo e linhas de baixo que preenchem bem os espaços deixados pela inventividades dos demais instrumentos.

    #blues #soul #groove Para quem gosta de: Duffy, Etta James e Nina Simone. Último trabalho: Singelas Observações (2013)
  • A Natural Dread (Caxias do Sul - RS) é uma clássica banda da serra gaúcha. Portanto, uma das anfitriãs do evento. Fundada em 1999 e dona de três discos, envergando mais de 13 anos de carreira, foi precursora do reggae não só na serra, mas também em todo o estado, trazendo o ritmo jamaicano ao cenário independente gaúcho antes mesmo dele atingir o mainstream onde hoje habita.

    #reggae #ska #groove Para quem gosta de: Planta e Raiz; Ponto de Equilíbrio e The Congos. Último trabalho: A Força da Música de Raiz (2015)
  • Com referências que misturam música eletrônica com instrumentos orgânicos, o Seneris (Caxias do Sul - RS), projeto solo de Guillermo Mathias Tapia, tem como base beats pesados e solos de guitarra que criam climas densos de camadas de som que tomam o primeiro plano mesmo quando os vocais aparecem. O festival será uma oportunidade para ver como a sonoridade de um projeto de bedroom music soará sobre o palco ao ar livre.

    #eletro #experimental Para quem gosta de: Tycho, Daft Punk e Justice.
  • Uma das novas bandas da serra gaúcha, Salve Jurema (São Marcos - RS) divulgou o seu primeiro EP há poucos meses e é uma das apostas do Festival Enxame. A sonoridade do grupo mescla elementos dos anos 90 que sobrevoam a música alternativa nacional com ritmos brasileiros não muito revisitados. A diversidade das referências dá origem a canções bem diferentes entre si, mas que se conectam pelos temas apresentados nas letras.

    #groove #psicodelia Para quem gosta de: vem de coração aberto, porque a coisa é bem difícil de explicar. Último trabalho: Salve Jurema (2017)
  • A Nevoar (Caxias do Sul - RS) foi fundada em 2016 por membros de outras bandas e projetos musicais da cidade que sediará o Enxame. A banda mescla referências de stoner rock e psicodelia, prometendo uma sonoridade bem ímpar mesmo comparada aos demais nomes do festival. Sem muitos registros fonográficos, o grupo aposta no evento para apresentar-se ao público e mostrar as suas credenciais.

    #stoner #hardrock #indierock Para quem gosta de: Queens of The Stone Age, Truckfighters e Electric Wizard. Último trabalho: Live Bootleg Paralela (2016)

Onde acontece / Como chegar?

O cenário é uma boa parte da proposta do Festival Enxame. Acostumado a receber eventos musicais, o Cheiro de Mato Eco Camping se prepara para receber um de seus maiores públicos já registrados. Retirado do ambiente urbano, o espaço tem provocado os habitantes da região a se "desligarem da matrix" e enxergarem um lado diferente da serra que ainda é pouco explorado mesmo pela população local.

Lógico que essa história de cravar a bandeira do Enxame em um lugar distante acaba levando o festival a um local de acesso não tão fácil, mas seguindo essas dicas você achará o local sem grandes problemas. O ônibus da Linha Caxias/São Marcos sai da rodoviária em diversos horários ao longo da sexta e do sábado, custando apenas R$ 8,00. Basta pegá-lo e descer na parada da Ponte do Rio Faxinal, que fica ao lado do Cheiro de Mato.

Se você está com medo e acha que o ônibus de linha pode representar uma aventura desnecessária, algumas caravanas com veículos fretados estão sendo organizadas em Canela, Porto Alegre, São Marcos e Caxias do Sul. Basta clicar nos links para ter mais informações.

Ingressos

Os ingressos estão à venda online no Mais Shows e no Ticket Mais. Fisicamente, você encontra os ingressos em Caxias do Sul na Paralela (Rua Tronca, 3483), na Hip Muito Além do Skate (Visconde de Pelotas, 951) e na Colcci Caxias (RSC 453, Shopping Iguatemi); em Farroupilha na Loja Boardstore (Rua Pinheiro Machado, 184, Sala 11); em Bento Gonçalves na Cadoro (Rua 13 de Maio, 877, L'América Shopping); em Canoas nas Lojas Dullius (Av. Guilherme Schell, 6750); em Lajeado nas Lojas Dullius (BR 386, Shopping Lajeado); em Santa Cruz do Sul nas Lojas Dullius (Rua 28 de setembro, 417); em Santa Maria nas Lojas Dullius (Rua Dr. Bozano, 1084) e em Passo Fundo nas Lojas Dullius (Rua Moron, 1749).