....................... ....................... ....................... ....................... ....................... ....................... ....................... ....................... ....................... ....................... .......................

Browse By

banda-acidental-2017

“Alguém/Texto De Um Blog Qualquer”, novo EP da Acidental

Ou a carreira solo que se transformou em ideia coletiva.

Nascido no sul do país, em Blumenau (SC), Alexandre Machado ficou conhecido no meio independente através das bandas Parachamas e Mundo Alto, ambas lançadas pela HBB Records, selo/produtora/distribuidora que o próprio músico ajudou a erguer em solo paulista. Após 10 anos à frente de diferentes empreitadas, o multi-instrumentista idealizou uma espécie de carreira solo que, rodeada de amigos por toda parte, acabou se tornando um projeto coletivo onde membros se alternam com ele sendo mantido ao centro. Tudo isso desembocou no projeto Acidental, fundado em 2013 e que acaba de lançar o seu terceiro EP, com exclusividade pelo New Yeah.

Musicalmente falando, a ideia base do Acidental era montar um veículo artístico onde ideias técnicas e estéticas captadas no convívio diário com diversos músicos pudessem ser colocadas em prática sem muitas amarras. Um projeto que partiu de um indivíduo, mas que invariavelmente foi relacionado aos arredores, de onde veio a matéria-prima processada e transformada em arte experimental. Essas experimentações todas deram origem a três EPs já lançados, contando com esse que você acaba de ouvir.

“Me considero uma pessoa de muita sorte por ter esta oportunidade de estar 100% envolvido com música. Procuro sempre levar comigo o que considero ser o melhor de cada experiência e depois usar isso no que faço em meus projetos”. Alexandre Machado

Os três EPs lançados até agora: segundo Alexandre, a ideia é produzir um total de quatro registros que, além de experimentações constantes, tenham também uma identidade visual semelhante. Quem assina a parte gráfica é Antonio Augusto, fundador da HBB.

Os três EPs lançados até agora: segundo Alexandre, a ideia é produzir um total de quatro registros que, além de experimentações constantes, tenham também uma identidade visual similar. Quem assina a parte gráfica é Antonio Augusto, fundador da HBB.

No EP mais recente, o projeto ganha a importante participação do baterista Rodrigo Boka, músico que assumirá as baquetas de todas as gravações daqui em diante. “Alguém”, a primeira faixa do EP, mantém uma levada mais pop e “Texto De Um Blog Qualquer” aposta em climas mais densos, com mais camadas de sintetizadores e ambientações, mostrando de maneira clara as possibilidades da nova formação nas gravações e até a versatilidade que o projeto pode apresentar enquanto varia alternativas sobre a sua proposta original.

Depois do lançamento digital, os dois primeiros EPs se tornaram K7s: tradição do selo que Alexandre ajudou a solidificar no centro do país, o formato vintage aparece também na obra da Acidental.

Depois do lançamento digital, os dois primeiros EPs se tornaram K7s: tradição do selo que Alexandre ajudou a solidificar no centro do país, o formato vintage aparece também na obra do Acidental.

Questionado sobre o futuro do projeto, já que teoricamente resta agora apenas um último EP para completar o ciclo proposto inicialmente, Alexandre comenta que ainda existem muitos outros sons para serem lançados e que há a possibilidade de um álbum cheio a ser divulgado na sequência. Além disso, um dos principais motivos dessa nova formação é a ideia de levar o Acidental para os palcos e realizar uma série de shows no sul do país, ao lado não só de Rodrigo, mas também de outros músicos parceiros que vivem em Blumenau, já que o objetivo maior agora é manter uma atividade constante na região sul do país e movimentar a cena local da cidade.

Um projeto solo que nasceu para satisfazer o ímpeto criativo do seu idealizador, que depois abraçou outros criadores ao longo do caminho e que, por fim, se projeta para fomentar toda a cena ao seu redor? Alexandre confirma, deixando claro o seu lado coletivo que acaba sempre tomando o controle após tantos anos dentro de um dos mais importantes selos do país.

“As vezes eu me dedico mais aos lançamentos das bandas do selo do que aos meus próprios projetos, porque eu quero mesmo é ver todo mundo se dando bem, fazendo tour, vendendo discos e aparecendo cada vez mais. O tempo é curto, a vida voa e pensar pra frente, ter foco e raciocinar em prol de um todo é a única forma de deixarmos algo melhor”. Alexandre Machado

Para saber mais sobre o projeto e seus próximos passos, acompanhe as novas movimentações de Alexandre e Rodrigo no Facebook e no Spotify.